TECNOLOGIA AJUDA A INTEGRAR IDOSOS


Tecnologia ajuda na integração dos idosos                                                       

Com a tecnologia ninguém fica sozinho. Fazer amigos, buscar informações, encurtar distâncias. Faça parte desse mundo.

Usar computador fez com que 87%, de um grupo de idosos, adquirissem novas habilidades...

Pesquisas feitas com alunos de cursos de informática para a terceira idade mostram que a tecnologia tem um impacto positivo na rotina de idosos e aposentados. Ao aprender a usar o computador e navegar na internet, grande parte dos homens e mulheres com mais de 65 anos se comunica mais com filhos e netos, faz novos amigos, se sente estimulado intelectualmente e integrado à sociedade. Os trabalhos mostram que a tecnologia pode promover a interação social e estimular
o convívio entre os idosos, afirma a pedagoga Kely Cristina Vieira, especialista em tecnologias da inteligência e autora de uma pesquisa com alunos da Universidade Aberta da Terceira Idade da PUC-SP. "Muitos são viúvos ou moram sozinhos, outros vivem longe dos filhos e netos. Com o computador, encontram uma forma de comunicação, a princípio assustadora e depois fascinante."
No entanto, a pesquisadora ressalta que as expectativas dos idosos ao aprenderem a usar o computador vão além da comunicação ou do acesso às informações cotidianas: elas estão relacionadas com a inserção no mundo atual, dominado pelos conteúdos digitais, e com a sensação de independência e liberdade. "Aprender a usar o computador é também ter conhecimento para lidar com a tecnologia em outros locais, como bancos, e para entender vocabulários e códigos que estão por toda parte."
Não à toa, mais de 80% dos entrevistados na pesquisa afirmaram que o computador trouxe mudanças positivas em sua vida e 87% disseram que adquiriram novas habilidades. Para a bancária aposentada Cristina Souza, de 75 anos, o maior benefício foi a autonomia. "Quando vi uma receita maravilhosa na televisão e a apresentadora falou que os detalhes e os ingredientes estavam no site, percebi que precisava aprender como isso funcionava. Que isso tinha vindo para ficar", conta. Ela ganhou um computador de presente do filho e se matriculou em um curso. "No começo, foi difícil. Parecia que não ia dar conta, mas depois você descobre um novo mundo, parece que tudo cabe ali naquele espaço. Países, museus, os jornais e as revistas. E meu neto me manda mensagens e fotos." Com o tempo, entrou em um fórum de discussão sobre culinária e conheceu outras mulheres com os mesmos gostos e interesses.
O aposentado Francisco Joaquim Augusto, de 65 anos, também lida semanalmente com o computador nas aulas do programa Acessa São Paulo, do governo do Estado, para tentar conversar mais com o filho e a nora, que moram no interior. "É difícil, mas vamos pegando experiência e sentindo que a gente faz parte desse mundo também", diz Augusto. Ele faz parte dos 25% dos idosos que usam a internet no País, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa Cetic, levantamento feito pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, mostra que 73% dos idosos brasileiros que acessam a internet usam o e-mail com frequência e, desses, 36% também trocam mensagens instantâneas. Outros 26% fazem parte de sites de relacionamentos.
"Os idosos querem e devem se sentir inseridos e pertencentes à realidade em que estão. Hoje a internet está por toda parte. Eles querem se comunicar e, uma vez inseridos, usam mesmo as ferramentas", explica Maristela Compagnoni, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e autora de uma pesquisa sobre e-mails e idosos.
RITMO PRÓPRIO
No entanto, para que a experiência com o computador seja bem-sucedida, os primeiros contatos com a máquina, para alguns, precisam ser feitos em um ritmo mais pausado e as atividades podem necessitar de mais repetições.
"O jovem cresceu na cultura do mundo digital, está acostumado com um universo de ícones, usa o computador instintivamente. O idoso, não. Por isso é uma outra abordagem, senão você provoca frustração e decepção", explica Vitória Kachar, professora da Universidade Aberta da PUC-SP e pesquisadora do tema.
PASSO A PASSO
Primeiros contatos: Para aprender a usar o computador, professores afirmam que o aluno precisa "perder o medo" de estragar a máquina, receio comum entre idosos. Aprender sobre as peças, os botões, o teclado, o mouse, para ganhar familiaridade, traz a percepção de que o computador não é tão frágil.
Configuração: A recomendação é configurar o mouse para que o cursor se mova mais lentamente na tela, o que ajuda quem está começando a controlar melhor esse recurso. Outra dica é mexer na a resolução da tela, para que imagens e letras fiquem maiores no monitor, facilitando a leitura.
Programas: Geralmente, os cursos para a terceira idade começam pelos programas de imagens e desenhos que são mais simples, funcionando como um treino para o uso do mouse, além de terem barras de ferramentas semelhantes às dos editores de texto e dos navegadores da internet.
Texto: O passo seguinte é usar editores de texto, como o Word (por exemplo). O aluno é estimulado a escrever. Uma atividade comum é escrever sobre algum texto, literário ou jornalístico.
Internet: Geralmente, o último passo dos cursos é abrir uma conta de e-mail, navegar pela internet e buscar as redes sociais. A dica é que professores ajudem o idoso a : buscar sites sobre temas de seu interesse e encontrar velhos e novos amigos nas redes sociais, além da possibilidade de um  contato mais próximo com familiares. 
Dominar o uso do computador, pode ser uma janela que se abre para o mundo e para a vida. Porém, uma questão é fundamental: juntamente com todos os ensinamentos sobre uso e navegação, devem vir as lições sobre segurança na internet, para que as pessoas não se exponham de forma perigosa e para que não adquiram vírus que causem problemas em seus computadores. Fica a dica!

Fonte: SIMONE IWASSO - O ESTADAO DE S.PAULO

Nenhum comentário:

Postar um comentário