ADESIVOS CONTRA ALZHEIMER AGORA SÃO DISTRIBUÍDOS GRATUITAMENTE PELO SUS. COMO FUNCIONA ESSA TERAPIA?

Adesivos - Mais uma opção no tratamento do Alzheimer                               

Pessoas com mal de Alzheimer contam com um novo aliado no combate à doença. A novidade é um adesivo transdérmico (que passa pela pele) que substitui a medicação via oral. Esse medicamento já era encontrado no mercado a um custo elevado. Agora o SUS também está oferecendo gratuitamente. Veja a seguir as vantagens dessa terapia...

Um novo tratamento que ajuda a amenizar os sintomas do Alzheimer está disponível em forma de adesivos. O princípio ativo é a Rivastigmina, medicamento já prescrito e utilizado em cápsulas e solução oral, que age sobre  a colinesterase, enzima presente no organismo e responsável pela degradação de uma substância chamada acetilcolina, um neurotransmissor que controla os impulsos nervosos para os músculos. Com o uso desse fármaco, além da melhora da cognição, há também
ação sobre os sintomas comportamentais e alterações funcionais da doença. A vantagem do uso de adesivos é que eles reduzem os efeitos colaterais quando comparados com as formas orais, que causam sintomas gastrointestinais como náuseas e vômitos. Além disso, os adesivos permitem um controle visual da aplicação, pois muitos pacientes esquecem de tomar os comprimidos ou o fazem de maneira errada quando não são supervisionados. Esse medicamento é recomendado, segundo os profissionais da saúde, para pacientes em situação leve até moderadamente grave da doença. O mal de Alzheimer não tem cura e é a terceira maior causa de mortes entre idosos no Brasil segundos dados do IBGE. Para informações a respeito de como conseguir esse medicamento gratuitamente, é necessário se dirigir a um posto de saúde e solicitar orientações junto à entidade ou então consultar o médico que já acompanha o paciente e seguir a indicação dada por esse profissional. Com essa informação, esperamos auxiliar na busca por melhores condições de tratamento para pessoas com essa doença. 
Caso você, leitor, tenha alguma outra informação ou opinião sobre esse tema, não deixe de manifestar-se registrando o seu comentário.