PARTE III - A PALAVRA CHAVE PARA UMA BOA VELHICE É: PLANEJAMENTO - FALANDO SOBRE MORADIA


Planejando com quem e onde morar - Refletindo o "morar" na velhice       

É difícil falar numa velhice tranquila sem organização e planejamento. E, continuando nessa temática, falaremos sobre algumas possibilidades de morar bem na maturidade. Para iniciarmos essa reflexão indagaremos: Como e onde podem morar os idosos? Como deve ser decidido o futuro de cada um nesse aspecto?

O envelhecimento está deixando de ser um assunto de pouco interesse. Ao contrário, com a perspectiva do aumento da população idosa especialmente no Brasil, estudos acerca das dificuldades e implicações nas questões da longevidade, mostram que se deve ter uma preocupação em relação ao fato de que o idoso necessita, cada vez mais, da ampliação de políticas para a garantia e manutenção de sua independência e bem estar. Nesse contexto,  destacaremos
o planejamento da moradia. É importante frisar que a maioria das pessoas idosas é capaz de cuidar de si mesma até uma idade avançada e o fator determinante para isso é a sua capacidade física e mental; não a idade.
A escolha de viver sozinho compete somente ao idoso e essa decisão deve ser respeitada, salvo se essa opção interferir de forma negativa na sua segurança e bem estar. Cabe aos que têm mais proximidade com quem está envelhecendo (familiares, amigos, tutores...), o fornecimento do auxílio necessário para que ele faça as escolhas de acordo com os seus interesses. Se o idoso expressa o desejo de permanecer em sua residência e tem condições físicas, mentais e financeiras para isso, nada mais justo que essa vontade seja realizada. Estamos em tempos de empoderamento e, por isso, as pessoas precisam tomar posse de suas vidas.
Conheça novas e interessantes alternativas de moradia para idosos       
                          
Outra alternativa para mais independência quanto à moradia nessa fase da vida, é a opção de viver em instituições que hoje em dia são como condomínios, estruturados para a população nessa faixa etária e que mantêm serviços especializados como: médicos, fisioterapeutas, psicólogos, entre outros que podem ser acionados numa necessidade. Esse tipo de habitação é ofertada em maior escala no âmbito privado; porém, ela é viável se o idoso planejar a sua vida financeira, pois esses serviços e condomínios tem um alto custo. A boa notícia é que, ainda vagarosamente, estão surgindo algumas opções de moradia pública gratuita ou com valores mais acessíveis. Entretanto, no setor público, esse tipo de serviço ainda é de difícil acesso devido à demanda e pouca oferta. Acreditamos que nos próximos anos esse cenário se modifique e que mais políticas públicas voltadas para a moradia da população idosa sejam implementadas e ampliadas. Vale destacar aqui a importância da mobilização da população em geral para solicitar e cobrar do poder público esse tipo de serviço, como já acontece com alguns grupos que se movimentam junto às autoridades, lutando por esse direito.
Projetos interessantes de moradia se estruturam pelo Brasil e no mundo. Já ouviram falar em Hogeweyk (bairro ou vila planejada para quem está na velhice)? Comum na Europa, onde o envelhecimento da população é ainda mais evidente, nesse tipo de empreendimento as pessoas e o poder público conceberam a ideia para que os idosos tenham suas casas e ao mesmo tempo convivam em comunidade, havendo o estímulo para entrosamento e ajuda entre a população desta faixa etária. Esperamos que esse projeto ou outros similares sejam concebidos ou ampliados em nosso país.
Outra alternativa bastante atual e que já está presente no Brasil é a república de idosos. Idealizada com o mesmo conceito das repúblicas de estudantes, estimula a convivência, onde pessoas moram e administram a casa em conjunto, estabelecendo e obedecendo regras específicas. Essa modalidade se diferencia de Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs), pois o morador faz parte da gestão do espaço e há mais liberdade para sair no momento em que ele desejar, proporcionando maior independência para frequentar outros lugares, trabalhar, estudar e ter uma vida social mais ampla.
Fazendo um estudo, com antecedência, é possível conhecer diferentes formas de morar. É provável que surjam outras alternativas e novidades quanto à moradia para a população idosa, diante do simples fato de que a demanda cresce vertiginosamente. Daí, a importância do planejamento para a velhice nesse e em outros aspectos e nós continuaremos a buscar mais informações para esclarecer nossos leitores.
Comece a repensar e a planejar o seu futuro...
Links para conhecer mais detalhes de alguns tipos de moradias             
                          
Abaixo, selecionamos links que detalham alguns exemplos de moradias públicas e privadas, nos estilos destacados, com foco no público acima de 50 anos. Convidamos os leitores, caso tenham outras referências a destacar tanto no Brasil como em outros países, para que deixem seus comentários sobre o assunto. 
Os links:
-https://agendasaudeudi.wordpress.com/2011/10/23/bem-social-–-condominio-do-idoso-–-atendimento-do-idoso-secretaria-de-desenvolvimento-social-prefeitura-municipal-de-uberlandia/
-http://www.advancelondrina.com.br/noticias/condominios-adaptados-a-terceira-idade
-http://g1.globo.com/globo-reporter/noticia/2012/11/idosos-encontram-em-republicas-solucao-para-se-manterem-independentes.html
-http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/maringa/condominio-do-idoso-e-inaugurado-em-maringa-594tobkbvz9fvsltymuo73xhq
-hogeweyk.dementiavillage.com     

Nenhum comentário:

Postar um comentário